Seu navegador não suporta javascript!

Programa de Parcerias de InvestimentosPPI

PPI participa de audiência pública sobre projeto de desestatização do setor postal brasileiro

Home > Notícias > PPI participa de audiência pública sobre projeto de desestatização do setor postal brasileiro

28 de abril de 2021

PPI participa de audiência pública sobre projeto de desestatização do setor postal brasileiro

PPI participa de audiência pública sobre projeto de desestatização do setor postal brasileiro

A Secretária Especial do PPI, Martha Seillier, participou nesta quarta-feira (28/4) de audiência pública virtual organizada pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços - CDEICS da Câmara dos Deputados para “Debater os Projetos de Lei nº 7.488/2017 e nº 591/2021, que dispõem sobre a organização do Sistema Nacional de Serviços Postais".

Durante a abertura da audiência, o Deputado Otto Alencar Filho (PSD/BA), presidente da CDEICS, reforçou a importância do debate. “Na minha opinião, o Governo deve fazer com que a empresa tenha mais eficiência, talvez mudando para empresa de economia mista, que virasse uma grande empresa de logística e que atuasse em outras áreas”, opinou.

“Quero agradecer por essa audiência pública. Já tivemos diversas conversas e debates com vários setores sobre essa matéria. Com muita clareza, transparência, e escutando a população é que vamos construir um texto que vai modernizar e dar mais eficiência ao sistema postal brasileiro”, disse o Deputado Gil Cutrim (Republicanos/MA), relator do projeto.

O presidente da Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect), José Aparecido Gandara, expôs pontos de atenção. “A população precisa de garantias de que o sistema postal vai funcionar”, pontuou. “Temos preocupação com relação aos trabalhadores. Esperamos contar com o bom debate na Câmara”, acrescentou o Secretário-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), José Rivaldo.

“Os Correios hoje investem cerca de R$ 300 milhões por ano. Pela demanda do setor, os investimentos deveriam ser de pelo menos R$ 2 bilhões/ano. Isso traz emprego, competitividade, eficiência. O objetivo é manter a universalização dos serviços e tornar a empresa mais competitiva”, explicou o diretor de Privatizações do BNDES, Leonardo Cabral. O Banco coordena os estudos para a desestatização do setor postal brasileiro.

A Secretária Especial do PPI, Martha Seillier, enfatizou a importância da empresa e dos serviços prestados. “Estamos todos trabalhando com o mesmo propósito: temos uma empresa fundamental, que tem que ser ainda maior, ainda mais eficiente, ainda melhor. O que temos de consenso hoje de tudo o que foi falado? Todos concordaram que a empresa é muito relevante, mas que precisa haver mudança. Por que o Governo avança com os estudos na direção de desestatização? Para atrair investimentos para o setor. Como vamos prestar serviços melhores e gerar empregos sem os investimentos necessários?”, reforçou.

“A CSN tinha 15 mil funcionários antes de ser privatizada. Hoje ela tem mais de 25 mil diretos e 13 mil terceirizados, 160% a mais do que quando ela era pública. A Embraer tinha nove mil funcionários quando era pública. Hoje ela tem 18 mil, mais quase quatro mil terceirizados. A geração de empregos após a privatização foi brutal”, enfatizou o secretário Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord.

Também participaram, como convidados da audiência, o secretário-executivo do Ministério das Comunicações (MCOM), Vitor Menezes; o chefe de gabinete da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Guilherme Sampaio; o vice-presidente da Associação dos Profissionais dos Correios (ADCAP), e o ex-presidente do Conselho de Administração da Empresa de Correios e Telégrafos, Adroaldo Portal.

Projeto de Lei

A Câmara dos Deputados aprovou, no dia 20/4, a urgência do Projeto de Lei 591/21, que define novo Marco Regulatório para o setor postal e abre caminho para a desestatização dos Correios. O texto, entregue em fevereiro pelo Governo Federal, também define a obrigatoriedade do cumprimento de metas de universalização e qualidade dos serviços e estabelece que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) seja a Agência Reguladora dos serviços postais. Desta forma, o Governo garante a modernização e aprimoramento do serviço postal.

O marco regulatório é responsável por estabelecer as regras do ambiente econômico onde interagem as empresas privadas, o Governo e os consumidores. A criação de um marco regulatório claro e bem concebido é fundamental para estimular a confiança de investidores e consumidores, para garantir o acesso aos serviços básicos à sociedade e para o bom funcionamento do setor.

Assim, em paralelo à tramitação do Projeto de Lei, estão em andamento os debates e estudos para a definição do melhor modelo de desestatização. A Fase 1 foi concluída e aprovada em março. Estão ainda previstas as Fases 2, de modelagem, com previsão de conclusão em agosto de 2021 e Fase 3, de implementação, cujo cronograma dependerá da aprovação do PL 591/21 no Congresso.

Leia outras notícias

  • Realizada concorrência da Floresta Nacional de São Francisco de Paula, no Rio Grande do Sul

    Continue lendo
  • TCU aprova estudos de concessão da BR-381/262/MG/ES e da Dutra

    Continue lendo
Acesso à Informação
Governo do Brasil